twitterfeed
PUBLICADO EM 20.12.2016 - 18:08

Viúva da Mega-Sena segue presa e só deixa cadeia nesta quarta-feira

A liberdade de Adriana Ferreira Almeida, a ‘Viúva da Mega-Sena’, que estava prevista para esta terça-feira, foi adiada para amanhã. Condenada a 20 anos de prisão pelo júri de Rio Bonito, acusada da morte de Renné Senna, ela segue presa na cadeia pública Joaquim Ferreira de Souza no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, já que não houve tempo hábil para a concluir o SARC (pesquisa realizada pela Polinter para verificar se há outros mandados de prisão em aberto), de acordo com o advogado de Adriana, Jackson Rodrigues.

“Esta pesquisa ainda não foi concluída pela Polinter porque eles estão congestionados com outras pesquisas para fazer”, disse Rodrigues.

A Viúva da Mega-Sena teve prisão revogada pelo juiz Pedro Amorim Gotlib Pilderwasser, após pedido da defesa. O magistrado impôs que ela terá que comparecer mensalmente ao juízo e está proibida de ter contato com a família da vítima e com testemunhas de acusação. Não pode ainda deixar a comarca de Cachoeira de Macacu, onde mora, e tem que usar tornozeleira eletrônica.

“Ela sempre se manteve fiel ao atender todos os chamados da Justiça. A decisão de condenação não é definitiva, entramos com recurso. Então, o juiz, com base nesses argumentos, revogou a prisão”, explicou o advogado.

LEIA MAIS: Viúva da Mega-Sena tem a prisão revogada

Adriana Ferreira Almeida, a ‘Viúva da Mega-Sena’, segue presa nesta terça-feira

Adriana Ferreira Almeida, a ‘Viúva da Mega-Sena’, segue presa nesta terça-feira

A sentença do Tribunal do Júri que condenou Adriana saiu semana passada. Para responsabilizá-la como mandante, a acusação se baseou em conversas telefônicas mantidas com Anderson Souza, condenado a 18 anos de prisão por executar o crime. No dia da morte, Adriana recebeu oito ligações do ex-segurança do marido.

Além da liberdade dela, estão em jogo R$ 120 milhões, retidos em uma conta da Caixa, e reivindicados pela filha de Renné, Renata Senna. Amputado das duas pernas por sequelas do diabetes mal cuidado, Renné Senna deixou de ser lavrador e passou a vender doces à beira da estrada, em Rio Bonito. Em 2005, ganhou a bolada ao fazer uma aposta de R$ 1.

Publicidade