Arquivo do autor:Cadu Bruno

21 mar

Kevin Souza e Giagos se destacam nas preliminares do UFN 62

Por Rodrigo Tannuri

O card preliminar do UFC Fight Night 62 surpreendeu pelas boas lutas, com finalizaões e nocautes acachapantes. Até mesmo a luta entre estrangeiros empolgou pela primeira vez o público brasileiro.

Francisco Massaranduba x Akbarh Arreola

Na pior luta do card preliminar, o ilustre Francisco “Massaranduba” venceu, mas sem qualquer brilho. O veterano do TUF Brasil 1 usou e abusou das quedas para faturar uma decisão unânime bem sem graça, mas importante. Contudo, se continuar lutando dessa forma, o brasileiro passará por momentos delicados, porque não custa lembrar que o mesmo se encontra nos leves, divisão mais competitiva e diversificada do MMA.

Kevin Souza x Katsunori Kikuno

Pelos penas, o striker Kevin Souza nem precisou distribuir muitos golpes para nocautear o japonês Katsunori Kikuno. O brasileiro confirmou o favoritismo, fazendo valer sua envergadura e tirou o adversário para nada. Essa foi a terceira vitória seguida de Kevin, que segue invicto no UFC e, agora, deve ter adversários mais competitivos. Vale apostar neste atleta, que voa abaixo do radar tanto dos fãs quanto dos lutadores.

Kevin Souza nocauteou Katsunori Kikuno ainda no primeiro round (Foto: Leo Salles)

Kevin Souza nocauteou Katsunori Kikuno ainda no primeiro round (Foto: Leo Salles)

Leandro Buscapé x Drew Dober

Em luta polêmica, o leve Leandro “Buscapé” sofreu, mas conseguiu finalizar o valoroso Drew Dober. O brasileiro afirmou que a guilhotina fez o adversário ficar mole, porém, nos replays, o americano não pareceu estar assim, muito menos fez menção de dar os três tapinhas de desistência. A impressão que fica é que, mais uma vez, o fator Brasil, novamente, fez a diferença. Apesar da vitória no grito de “Buscapé”, dá para dizer que Dober saiu com moral e até conseguiu transformar a raiva inicial do público em carinho pós-luta. O carismático americano ganhou a galera ao elogiar o país e ao pedir por uma revanche aqui. Tomara que o UFC faça justiça, porque ele não perdeu.

Leonardo Macarrão x Cain Carrizosa

Parece que a ida para a AKA (American Kickboxing Academy) começou a dar frutos. O leve Leonardo “Macarrão”, de apenas 25 anos, confirmou a superioridade na trocação e ainda mostrou QI de luta, ao saber aplicar quedas no momento certo para garantir a vitória. A luta entre o brasileiro e Cain Carrizosa também serviu para vermos que o brasileiro aguentou bem o ritmo nos 15 minutos no octógono. A nota lamentável vai para o americano, que não cumprimentou seu algoz após a luta. Que feio!

Jorge Blade x Christos Giagos

Jorge “Blade” falou que ia fazer e acontecer no peso leve, porém não contava de pegar um adversário duríssimo pela frente. Christos Giagos, simplesmente, veio ao Brasil e não tomou conhecimento. O americano quedou o brasileiro de forma bonita, aplicou um ground and pound agressivo e, quando a oportunidade surgiu, finalizou com muita facilidade. “Blade” até tentou dar um migué, mas não teve jeito, teve que desistir. Com 25 anos, Giagos é promissor e os fãs devem ficar de olho em sua evolução, pois ele pode dar o que falar. Por outro lado, com a segunda derrota seguida, a situação de “Blade” é delicada. Uma coisa é certa, ele deveria falar menos e mostrar mais serviço no octógono.

Christos Giagos finalizou Jorge Blade no card preliminar (Foto: Leo Salles)

Christos Giagos finalizou Jorge Blade no card preliminar (Foto: Leo Salles)

Bentley Syler x Freddy Serrano

De forma aleatória, o UFC escalou um confronto Colômbia x Bolívia para abrir o evento e, como não poderia ser diferente, a dupla estava sendo vaiada. No entanto, no terceiro round, Fredy Serrano acertou um poderoso upper que apagou o adversário. De qualquer forma, não dá para esperar muito do lutador, já que o mesmo possui 35 anos e fez apenas a sua segunda luta no MMA. Vale lembrar que esta não foi a primeira vez em que dois atletas estrangeiros inauguram um card nacional. Em 2011, no UFC Rio 1, Ian Loveland x Yves Jabouin fizeram as honras da casa.

Resultados do card preliminar do UFN 62:

Francisco “Massaranduba” derrotou Akbarh Arreola por decisão unânime
Kevin Souza derrotou Katsunori Kikuno por nocaute no 1º round
Leandro “Buscapé” derrotou Drew Dober por finalização no 2º round
Leonardo “Macarrão” derrotou Cain Carrizosa por decisão unânime
Christos Giagos derrotou Jorge “Blade” por finalização no 1º round
Fredy Serrano derrotou Bentley Syler por nocaute no 3º round

POSTADO POR: Cadu Bruno às 11:01
20 mar

Público hostiliza McGregor e adota Ronda; pesagem do UFC Rio 6 fica em segundo plano

Por Rodrigo Tannuri

Como era de se esperar, a coletiva de imprensa para promover o duelo entre José Aldo, campeão dos penas do UFC, e Conor McGregor, válido pelo UFC 189, foi bombástica. Teve de tudo, desde as esperadas provocações, até gestos e insultos. Aberto ao público, o encontro entre os atletas foi ainda mais tenso, devido ao comportamento um tanto quanto irracional da maioria dos torcedores. Vale lembrar que este foi o primeiro de muitos eventos que o UFC realizará na chamada turnê mundial.

Se por um lado o popular e também perigoso, McGregor foi ridicularizado pelo público presente, a campeã dos galos femininos, Ronda Rousey foi ovacionada por boa parte dele. O curioso é que, recentemente, a organização confirmou que a americana colocará seu cinturão em jogo contra Bethe Correia, em pleno Rio de Janeiro, na edição de número 190, ou seja, quando todos esperavam uma reação furiosa, o que se viu foi uma demonstração de respeito. Contudo, o clima entre elas segue cada vez mais pesado. As invictas deixaram o espírito esportivo de lado e trocaram diversas ofensas, muitas até de cunho pessoal.

Aldo e McGregor se enfrentam no UFC 187, em julho (Foto: Leo Salles)

Aldo e McGregor se enfrentam no UFC 187, em julho (Foto: Leo Salles)

No MMA moderno, a promoção está cada vez mais em voga. Agora, a tendência é de que os profissionais consigam ser notados não apenas no octógono, lutando, como também mostrando um lado vocal e criativo em seus discursos. Neste caso, os desafiantes Conor McGregor e Bethe Correia fizeram tudo corretamente. Muitos podem dizer que eles não enfrentaram adversários mais competitivos, que pegaram um caminho mais fácil rumo ao cinturão, porém ambos foram competentes e aproveitaram a falta de contenders em suas divisões. A afirmação de que os dois falam muito mais do que lutam é incorreta. Eles podem até ser derrotados, mas têm valor e merecem respeito.

Ronda Rousey vem ao Brasil em agosto e enfrenta a brasileira Bethe Correia no UFC 190 (Foto: Leo Salles)

Ronda Rousey vem ao Brasil em agosto e enfrenta a brasileira Bethe Correia no UFC 190 (Foto: Leo Salles)

Na pesagem do UFC Fight Night 62, que deveria ser a grande atração, tornou-se um segundo programa para os torcedores presentes no Maracanãzinho. Encaradas na maioria mornas, tanto que o público pouco gritou para os brasileiros quanto vaiou os estrangeiros. Talvez a mais tensa tenha sido entre Godofredo Pepey e Andre Fili. Destaques ainda para a simpatia de Alex Cowboy e as roupas nada usuais dos primeiros a pisar na balança: tanto Bentley Syler quanto Freddy Serrano usaram roupas de médico e competidor de wrestling, respectivamente. Uma bizarrice só. De resto, as encaradas foram tranquilas, porém totalmente ofuscadas com a coletiva de ilustre de lutas valendo cinturão.

POSTADO POR: Cadu Bruno às 4:41
20 mar

‘Nostradamus do MMA’ palpita quem vence no UFC Rio 6

Meus amigos proféticos do MMA! O UFC volta à Cidade Mravilhosa, mais que bêncão! E com os palpites diretamente da Estrela de Andrômeda, da divindade da adivinhação, eu, o Nostradamus do MMA! Dessa vez a concentração foi para o UFC Fight Night 62, com o embate principal entre Demian Maia e Ryan LaFlare, para delírio dos zagallinhos de plantão.

Antes, um aviso importante: acertei 7 de 12 lutas do UFC 185. Apostei errado, mas ainda bem: o nosso querido anjo protetor do MMA, Rafael dos Anjos, derrotou o superestimado Anthony Pettis e é o novo campeão dos leves! Aleluia, moçada do MMA! Mais um para o grupo seleto dos abençoados do MMA! Vitória incontestável, surpreendente e dominadora do Rafael. Parabéns, champ!

Na luta principal na cidade do Rock in Rio, Demian Maia vai para cima de Ryan LaFlare, invicto na carreira. Combate que o brasileiro tem que usar sua melhor arma, o jit-jitsu. LaFlare precisa dominar o centro do octógono e evitar as quedas. Quem leva essa, meus amigos proféticos?

Nostradamus do MMA

Na co-luta principal, o nosso Índio Erick Silva mede forças com o Biro-Biro do MMA, o veterano e lenda Josh Koscheck, pelos meio-médios. Kos está chegando perto da aposentadoria e merece todas as honras, mas vai encarar um brasileiro arisco, cheirando sangue. Quem vence, moçada?

Ainda, no card principal, Leo Santos faz duelo interessante de estilos contra Tony Martin, pelos leves. A baiana arretada Amanda Nunes mede forças com Shayna Bazler, pelos galos. Gilbert Durinho, pupilo do pastor do MMA, encara o desconhecido porém porradeiro Alex Cowboy Oiveira. E abrindo os trabalhos do card principal, Godofredo Pepey e Andre Fili prometem show para os zagallinhos de plantão.

No card preliminar, destaques para os homens UFC Brasil: Francisco Massaranduba enfrenta o mexicano Akbarh Arreola, pelos leves, e Kevin Souza mede forças com Katsumi Kikuno, pelos penas. E Leonardo Macarrão enfrenta Cain Carrizosa.

Meus amigos proféticos do MMA, minha concentração astrológica foi insana para esse evento. Preparem o suco de groselha, os salgadinhos, escondam qualquer pergaminho e assistam ao UFC Rio 6 de lho nas minhas adivinhações. Segurem essa macmba, pois ela está braba!

Munrá!

UFC Fight Night 62 (UFC Rio 6):

CARD PRINCIPAL

Demian Maia x Ryan LaFlare
Erick Silva x Josh Koscheck
Léo Santos x Tony Martin
Amanda Nunes x Shayna Baszler

Gilbert Durinho x Alex Cowboy Oliveira

Godofredo Pepey x Andre Fili

CARD PRELIMINAR

Francisco Massaranduba x Akbarh Arreola
Kevin Souza x Katsumi Kikuno
Leandro Buscapé x Drew Dober
Leonardo Macarrão x Cain Carrizosa
Jorge Blade x Christos Giagos
Bentley Syler  x  Fredy Serrano

POSTADO POR: Cadu Bruno às 3:27
20 mar

UFC Fight Night 62 (Rio 6): com card fraco e nada atraente, Demian Maia encara Ryan LaFlare

Por Leo Salles

Neste fim de semana, o Rio de Janeiro, especialmente o ginásio do Maracanãzinho, receberá mais um evento do UFC, com a edição Fight Night 62. Porém, de todas as edições da Cidade Maravilhosa até aqui, este é certamente o card mais fraco montado pela organização.  Com 12 embates programados, teremos poucos combates atraentes, algumas lutas canceladas por motivos de lesões e o público parece que não comparecerá em peso para o evento de sábado, cuja luta principal é entre Demian Maia e o invicto americano Ryan LaFlare, pelos meio-médios. Obivamente, teremos brasileiros dominando o card, como Erick Silva, Gilbert Durinho, Amanda Nunes e Godofredo Pepey encabeçando o card principal.

Como atração estrangeira, a vinda de Josh Koscheck é o chamariz, que encara o “Índio” Erick Silva, com poucos dias de preparação, já que o adversário anterior, Ben Saunders, foi retirado do evento por conta de uma lesão.  O UFC Fight Night 62 começa às 20h (de Brasília) , com o card principal iniciando às 23h.

 Demian Maia x Ryan LaFlare

O paulista vive uma fase de transição na carreira: com 37 anos, começou muito bem nos meio-médios com très vitórias seguidas até perder duas seguidas, para Jake Shields e Rory McDonald. Venceu orusso Alexander Yakovlev, porém o brasileiro teve uma doença que o dexiou muito tempo de fora dos treinos e,consequentemente, do octógono. O ritmo pode ser um problema para Demian, já que ele encara um adversário que domina bem as técnicas de solo (wrestling) e em pé (boxe e muay thai). Também pudera, pois LaFlare treina numa das melhores academias do mundo, a Blackzilians. Para Demian, é apostar nas suas características da luta agarrada, usando seu jiu-jitsu primoroso, ficar por cima e buscar a finalização, além de ser mais experiente dentro do octógono. Para LaFlare é evitar o clinch do brasileiro, dominar o ocntrole do octógono e abusar dos socos e chutes. Se for para o chão,a melhor maneira é martelar no ground and pound e conseguir a vitória por nocaute técnico. Pelo momento e pela inatvidade do brasileiro, favorito para luta é o americano.

Demian Maia bate o peso da categoria: ele encara Ryan LaFlare na luta principal do UFC Rio 6 (Foto: Leo Salles)

Demian Maia bate o peso da categoria: ele encara Ryan LaFlare na luta principal do UFC Rio 6 (Foto: Leo Salles)

Erick Silva x Josh Koscheck

Uma luta casada de última hora. Bem Saunders seria o adversário do brasileiro, mas sucumbiu às lesões, Por isso, Erick Silva enfrenta o veterano Josh Koscheck, um dos nomes expoentes da primeira edição do TUF e desafiante do cinturão dos meio-médios, que está em franc declínio na carreira e sinal de que a aposentadoria vem aí após derrotas acachapantes, a última para Jake Ellenberger, há duas três semanas atrás. Erick vive altos e baixos desde que entrou no octógono pela primeira vez, com muitas expectativas em torno dele. Pode ser que o brasileiro, sofrendo derrotas amargas, para Matt Brown e Dong Hyun Kim, e vitórias estelares, contra Jason High, Takenori Sato e Mike Rhodes, tenha aprendido a medir o gás e controlar principalmente a ansiedade, pois é um do lutadores brasileiros mais talentosos pelo mundo. Para vencer Kos, é dominar o octógono e usar o melhor  da trocação, já que o queixo do americano não é mais lá essas coisas. Para o veterano do TUF 1, é tentar derrubar e trabalhar o ground and pound. Favoritismo amplo para Erick Silva vencer o combate

Léo Santos x Tony Martin

Outra luta que teve o adversário mudado. O brasileiro enfrentaria Matt Wiman, adversário que possuia boa trocação, e agora mede forças com Tony Martin, um lutador que gosta da luta agarrada, com bom jiu-jitsu, porém possui um boa dinâmica em pé, algo que é falho no brasileiro. Léo é um excelente jiu-jiteiro, várias vezes campeão mundial, mas para o MMA isso é pouco.  Para o brasieliro, é apostar no clinch, derrubar e buscar a finalização. Para Martin, o ideal é fugir do in fight e manter o combate em pé, controlando o octógono. Pelas características, Tony Martin é favorito para vencer.

Amanda Nunes x Shayna Bazler

Um combate de redenção para ambas. Amanda fez uma grande luta contra a ex-desafiante do cinturão dos galos, Cat Zingano, foi derrotada, porém poderia ter vencido no primeiro round naquele UFC 178 em setembro. Um dos melhores do ano certamente. Por isso, a brasileira, com característica arisca de uma verdadeira lutadora, de ir para cima, buscando o nocaute ou finalização sempre, é favorita para derrotar a veterana Bazler, de 4 anos, uma das quatro amazonas da patota de Ronda Rousey. Bazler foi duramente nocauteada por Bethe Correia e precisa muito da vitória para se manter na organização e,para isso, deveria buscar o controle do octógono e aplicar golpes na parte superior da brasileira. Sem essa tática, fica difícil derrubar a leoa Amanda, que domina muito todas as áreas do MMA.

Gilbert Durinho x Alex  “Cowboy” Oliveira

Outro prejudicado pela lesão do adversário (Josh Thomson), Gilbert Durinho recebeu a informação de última hora que iria enfrentar Alex “Cowboy” Oliveira, que possui um cartel interessante de 10 -1-1 e umaluta sem resultado. Durinho, que está invicto na carreira e pupilo de Vitor Belfort, já deve saber que seu novo adversário gosta de uma trocação franca, o qual deve buscar constantemente. Durinho é favorito pelo retrospecto, por estar acostumado com o octógono e ser um excelente atleta, enquanto “Cowboy” não tem o que perder e vai buscar o nocaute de qualquer forma.

Gilbert Durinho e Alex Cowboy se enfrentam pelos leves (Foto: Leo Salles)

Gilbert Durinho e Alex Cowboy se enfrentam pelos leves (Foto: Leo Salles)

Godofredo Pepey x Andre Fili

Um dos combates que podem mais empolgar os fãs no ginásio do Maracanãzinho. Tanto Pepey quanto Fili gostam de dar espetáculo: são bons lutadores de MMA e dominam bem as modalidades do combate. O brasileiro vem de duas vitórias seguidas, enquanto Fili derrotou no seu último combate Felipe Sertanejo. O melhor caminho para Pepey é buscar o controle da luta e dominar na trocação. Para Fili, além da trocação, é buscar o clinch e trabalhar por cima quando estiver no chão. Pepey é favorito para vencer a primeira luta do card principal.

No card preliminar, mais brasileiros e a única luta entre estrangeiros

Pepey e Andre Fili fizeram a encarada mais tensa (Foto: Leo Salles)

Pepey e Andre Fili fizeram a encarada mais tensa (Foto: Leo Salles)

No card preliminar, teremos mais brasileiros em ação, obviamente, porém poderemos acompanhar uma luta entre estrangeiros: os latinos Bentley Syler (Bolívia)  e Freddy Serrano (Colômbia) medem forças no primeiro combate da noite. Aliás, mais uma luta fraca entre estrangeiros marcada para os fãs brasileiros. O destaque desse card preliminar é a luta entre Leonardo Macarrão e Cain Carrizosa, pelos leves. O brasileiro se mudou para os EUA, está treinando na AKA, academia do campeão Cain Velasquez, Daniel Cormier e Luke Rockhold e poderemos ver se realmente Macarrão mudou da água para o vinho no seu estilo de luta. Combates interesantes podem vir dos confrontos entre Kevin Souza e Katsumi Kikuno e Francisco Massaranduba e Akbarh Arreola, cujos brasileiros podem se beneficar da trocação e depois partir para a finalização nos seus respectivos combates.

Confira o card do UFC Fight Night 62 (UFC Rio 6):

CARD PRINCIPAL

Demian Maia x Ryan LaFlare
Erick Silva x Josh Koscheck
Léo Santos x Tony Martin
Amanda Nunes x Shayna Baszler

Gilbert Durinho x Alex Cowboy Oliveira

Godofredo Pepey x Andre Fili

CARD PRELIMINAR

Francisco Massaranduba x Akbarh Arreola
Kevin Souza x Katsumi Kikuno
Leandro Buscapé x Drew Dober
Leonardo Macarrão x Cain Carrizosa
Jorge Blade x Christos Giagos
Bentley Syler  x  Fredy Serrano

POSTADO POR: Cadu Bruno às 3:23
19 mar

Gringos desconhecidos e a possibilidade de ofuscar os brasileiros do UFC Rio 6

Por Leo Salles

Não houve somente Demian Maia, Erick Silva e companhia no media day do UFC Fight Night 62 (UFC Rio 6) que aconteceu nesta quinta-feira (19). Os gringos que desafiarão os brasileiros mostraram as caras e muitos deles são desconhecidos do público nacional. Entre eles o americano Ryan LaFlare, invicto na carreira de MMA, que faz a luta principal contra Demian Maia.

LaFlare tem um estilo completo, utilizando bem as técnicas de chão com o wrestling, e a trocação com muay thai. Por isso, considera que pode derrotar Demian finalizando-o no chão, algo que é especialidade do brasileiro:

Ryan LaFlare encara Demian Maia no UFC Fight Night 62 (Foto: Leo Salles)

Ryan LaFlare encara Demian Maia no UFC Fight Night 62 (Foto: Leo Salles)

“Não gosto de falar muito antes das lutas, nem meu oponente. Gosto de lutar, até deixaria minha família para ficar só lutando. Acredito que sou mais completo que ele e caso vá para o chão o combate, a vantagem é dele, mas posso finalizá-lo a qualquer instante”, destacou o confiante LaFlare.

Outro lutador que se destaca por suas habilidades em diferentes áreas do MMA é Andre Fili, peso-pena que enfrenta Godofredo Pepey. E a promessa é de grande combate, aguardada para ser o melhor da noite. O próprio Fili acredita nisso:

Andre Fili promete show contra Godofredo Pepey (Foto: Leo Salles)

Andre Fili promete show contra Godofredo Pepey (Foto: Leo Salles)

“Eu gosto de dar show, e meu oponente também. Gostamos de trocar, ir para cima e dar o nosso melhor. Tem tudo para ser a melhor luta da noite e espero sair com bônus pós-evento”, disse “Touchy”, que ainda deu palpite sobre quem vence o duelo entre TJ Dillashaw e Renan Barão, já que Fili é da Team Alpha Male:

“Dillashaw vai passar pelo Barão ,se dúvida. Tenho respeito pela Nova União e por todas as equipes, tem pessoas sérias trabalhando e dando o seu melhor, gosto de ver lutas de diferentes estilos. Mas vou ser sempre Team Alpha Male e vou torcer como nunca para o Dillashaw”.

Finalmente, outro destaque do card principal é Tony Martin, que luta pela segunda vez no Brasil, após vencer seu primeiro combate no UFC justamente em cima de um brasileiro (Fabrício Camões). Agora, ele encara Léo Santos, campeão do TUF Brasil 2 e está mais preocupado em fazer lutas esse ano:

Tony Martin encara Leo Santos no card principal (Foto: Leo Salles)

Tony Martin encara Leo Santos no card principal (Foto: Leo Salles)

“Meu adversário é perigoso no chão, tenho que me preocupar com isso, mas acredito que sou mais completo que ele. A atmosfera me ajuda, porque venci minha primeira luta aqui no Rio, fiquei no mesmo hotel e vou lutar na mesma arena que antes (Maracanãzinho). Não me importo com a torcida brasileira fazendo barulho, senão perco meu foco. Quero ganhar esse combate e fazer mais três combates ainda esse ano e quem sabe no ano que vem estar no top-15 ou até top-10″, afirmou Martin.

Mesmo alguns deles desconhecidos do público brasileiro, esses gringos são a grande força desse card enfraquecido e quem sabe surpreender com grandes performances.

POSTADO POR: Cadu Bruno às 11:05
19 mar

Media Day do UFC Rio 6: brasileiros mostram confiança na véspera dos confrontos

Por Leo Salles e Rodrigo Tannuri

O UFC realizou nesta quinta-feira em Copacabana, na Zona Sul do Rio, mais uma atividade programada para a edição Fight Night 62. Em evento fechado para a imprensa, os lutadores do card principal do evento comentaram sobre suas lutas, além de assuntos diversos do MMA. Mesmo com um card enfraquecido de estrelas, a presença da imprensa foi grande, porém alguns nomes como Shayna Bazler e Tony Martin foram poucos abordados pelos jornalistas, muito por conta de serem desconhecidos do público brasileiro.

Os grandes nome do evento, Demian Maia e Erick Silva, falaram da expectativa dos seus combates. Maia afirmou estar confiante por mais uma vitória, mesmo após longo período de inatividade por conta de uma doença.

Demian Maia encara Ryan LaFlare na luta principal do UFC Fight Night 62 (Foto: Leo Salles)

Demian Maia encara Ryan LaFlare na luta principal do UFC Fight Night 62 (Foto: Leo Salles)

“Acredito que o LaFlare vai sentir na hora como a luta vai se desenrolar para ele e dai trçar uma estrategia de querer ir pro chão ou lutar em pé. Ele é bom wrestler e será um confronto difícil, sem dúvida”, disse Maia, lembrando das primeira vez que lutou no Rio:

“Foi a maior emoção da minha vida, quando derrotei o Rick Story e a torcida gritou o meu nome e exaltou o Jiu-Jitsu.”

Já Erick tratou de respeitar o adversário, o experiente Josh Koscheck, que vive fase decadente da carreira e perto da aposentadoria:

“Ele é muito experiente, mas eu estou numa boa fase. Sou mais jovem, rápido, explosivo do que ele. Eu não posso menosprezá-lo pelo fato dele ter perdido a última luta. Ele é muito bom no Wrestling, então me preparei pra lutar com um cara muito duro. Ele é muito perigoso, mas estou preparado. -A troca de adversário é ruim, mas treino de tudo. A preparação era mais específica, mas o treinamento mesmo não muda muito. A estratégia acaba mudando, mas não me sinto preocupado e sim tranquilo”.

erick1

Amanda Nunes lamentou ter sido derrotada para Cat Zingano e perdido a chance de disputar o cinturão, mas acredita que nas próximas duas lutas ela terá o title shot. Porém ,precisa vencer a experiente Shayna Bazler, de 34 anos, que também vive uma fase ingloriosa na carreira e tem que vencer para se manter na organização:

“Para vencer a Shayna, me sinto confortável tanto em pé ou no chão, esse é o caminho natural para a minha vitória. Não mudei nada nos treinos, e sim meu foco e ando controlando minha adrenalina, para não chegar com tanta força no combate”.

Leo Santos encara um adversário mais técnico e sabe que está numa categoria bastante dura:

- A minha categoria é a mais dura do UFC, então é sempre pedreira. Não vejo um lutador que seja moleza. A categoria é tão dura, que o Pettis, que é um cara extremamente talentoso, foi derrotado, isso mostra o nível dos lutadores. O único que conseguiu se manter como campeão foi o BJ Penn. Depois dele, sempre houve troca de cinturão.”

Parceiro de treino de José Aldo, campeão dos penas do UFC, Léo falou o que pensa a respeito do irlandês Conor McGregor e o tom foi severo:

“O McGregor tem que ser respeitado, mas, na Nova União, nós temos um batalhão pra enfrentá-lo. Se ele quiser lutar na rua, a gente vai mesmo. Ele é bom, vai lutar pelo cinturão, mas conseguiu isso falando. Ele não merecia essa disputa. Como você se torna desafiante sem derrotar um top? Eu sou funcionário, só tenho que respeitar a decisão do UFC.”

durinho1

O invicto Gilbert Durinho também mostrou confiança e prometeu encerrar seu duelo o quanto antes:

“Eu respeito o meu adversário, ele tem valor, mas não quero deixar a luta ir para os juízes. O treino na Blackzilians é uma guerra. Tyrone (Spong) e Vitor (Belfort) são meus parceiros. Tenho que estar entre os leões para evoluir.”

O niteroiense também palpitou sobre a luta principal do UFN 62 e apostou no seu companheiro de academia:

“Tirando o Jiu-Jitsu, o LaFlare é melhor que o Demian em todos os quesitos. É até chato pra mim dizer isso.”

 

POSTADO POR: Cadu Bruno às 4:41
18 mar

O (aparentemente) cansado Shogun: será hora de parar ou há lenha para queimar?

Por Leo Salles

Em entrevista coletiva para divulgação do TUF Brasil 4, Maurício Shogun disse que ver novos atletas querendo alçar um lugar ao Sol é motivo de alegria e que o incentivou de certa forma a querer mais para sua carreira. Consagrado no mundo do MMA, com lutas impressionantes no cartel, além de ter sido campeão do Pride e do UFC, Shogun não tem nada a mais a provar a ninguém. Nas últimas vezes que apareceu para conversar com os jornalistas, Shogun aparentou uma cara cansada. Cansado pelas derrotas recentes ou pela pressão da família que largue o esporte ou pela falta de vontade de treinar. Não dá para saber.

Vindo de quatro derrotas nas últimas cinco lutas, talvez uma mudança de ares para a categoria dos médios ou uma mudança para os Estados Unidos treinar nas melhores academias o fariam retomar o caminho das vitórias. Mas será que o brasileiro meio-pesado realmente quer mudanças, ou tudo não passa de uma fase ruim?

Primeiramente, Shogun repetiu numa roda com jornalistas que a família não curte que ele lute, pois consideram o esporte muito agressivo (especialmente sua esposa e sua mãe). Em segundo lugar, o meio-pesado precisa repensar a estratégia de luta contra adversários que também são perigosos. Ir para o in fight muitas vezes é mal negócio, o que ficou comprovado na sua última derrota para Ovince Saint-Preux. Motivação para cortar peso e descer para os médios e enfrentar uma categoria que está em polvorosa após o fim do reinado de Anderson Silva é atestado de óbito dentro da organização, ainda mais pela má fase que vive.

Maurício Shogun pode enfrentar Rogério Minotouro, numa revanche aguardada pelos fãs (Foto: Leo Salles)

Maurício Shogun pode enfrentar Rogério Minotouro, numa revanche aguardada pelos fãs (Foto: Leo Salles)

Acredito que o brasileiro tenha vivido uma fase ruim e não vejo má condição técnica, algo que ele é impecável. Talvez, para recuperar a confiança, enfrentar um lutador pós-top 10 ou fora do ranking seria uma boa opção. Pelo que Shogun fala e pelas últimas lutas marcadas, dificilmente terá um combate fácil, já que ele nunca fugiu de luta, sempre aceitou os desafios instantaneamente.

Inegavelmente, Shogun é um grande chamariz para o público brasileiro, e sua escolha para ser técnico do TUF não foi à toa. Agora, depende dele querer continuar nessa carreira vitoriosa e tentar algo mais, pois não precisaria ser expor. No entanto, uma revanche contra Rogério Minotouro brilharia os olhos de muitos fãs, mesmo que não seja do nível daquele incrível combate vencido em 2005 pelo curitibano.

POSTADO POR: Cadu Bruno às 11:00
18 mar

TUF Brasil 4: o que esperar do reality, segundo Shogun, Minotauro e Minotouro

Por Rodrigo Tannuri e Leo Salles

Nesta quarta (18/03), foi realizada a coletiva do TUF Brasil 4, com a presença dos treinadores Maurício “Shogun” e Rodrigo “Minotauro”, junto de seu irmão e auxiliar, Rogério “Minotouro”. Como é sabido, o slogan do reality aqui no Brasil, cuja estreia é no dia 5 de abril, é “Em busca de campeões”. Porém, o que estamos acostumados a ver são integrantes do programa tendo participações bem modestas no UFC. Sobre isso, os três foram unânimes, afirmando que esta edição, que conta com 32 lutadores dos galos e dos leves, será de alto nível, sendo marcada por ótimas lutas:

“Disparadamente, esse foi o melhor TUF que eu participei. Eu nunca vi os atletas lutarem desse jeito. Lidar com o sonho deles foi estimulante. Todos esses atletas têm condições de irem bem no UFC.”, garantiu “Minotauro”.

Shogun, que vive a pior fase da carreira, com quatro derrotas em cinco combates, vê uma motivação profissional e recuperação da auto-estima ao ser um dos treinadores do programa:

Maurício Shogun, Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro: teinadores do TUF Brasil 4 (Foto: Leo Salles)

Maurício Shogun, Rodrigo Minotauro e Rogério Minotouro: teinadores do TUF Brasil 4 (Foto: Leo Salles)

“Lutar em Vegas e ter Dana do lado animou os atletas. Fiquei muito feliz com as lutas e com o empenho dos atletas dentro da casa. Os fãs poderão entender mais a filosofia das artes marciais”, disse o curitibano.

Originalmente, Anderson Silva seria um dos treinadores, porém o escândalo do doping o obrigou a se afastar das gravações do programa. Tal decisão do UFC também foi comentada pelos atletas. Os irmãos Nogueira preferiram minimizar o acontecimento:

“Os lutadores sentiram a saída do Anderson. Eu e meu irmão fomos chamados para dar apoio.”, informou “Minotauro”. ”A surpresa foi grande. Foi um momento difícil, tenso, rápido, mas, como somos amigos, irmãos do Anderson, aceitamos substituí-lo”, disse “Minotouro”.

Quando perguntados sobre o futuro de cada um, “Shogun” e “Minotouro” não confirmaram o acerto para a tão desejada revanche, mas, ao que tudo indica, ela tem tudo para ser oficializada. Ambos vêm em franca decadência nos meios-pesados e a hora para finalmente o UFC casar uma das revanches mais aguardadas é agora. E claro, se acontecer nas finais do TUF, provavelmente no dia 27 de junho.

Rodrigo Minotauro substituiu Anderson Silva como técnico do TUF Brasil 4 após o ex-campeão dos médios sair do programa por ser pego no doping (Foto: Leo Salles)

Rodrigo Minotauro substituiu Anderson Silva como técnico do TUF Brasil 4 após o ex-campeão dos médios sair do programa por ser pego no doping (Foto: Leo Salles)

Entre os 32 participantes da nova edição do TUF Brasil, há alguns nomes conhecidos do MMA nacional. Dileno Lopes, um dos mais experientes da casa, esteve nas preliminares da primeira edição do programa, porém foi derrotado e agora recebe nova chance. Lenadro Hiho “Pitbull” já possui um certo hype, assim como Giovanni Soldado. Todos eles estão na categoria dos galos. Na categoria dos leves, para os apelidos, uns melhores que o outro, como “Jack Godzilla”, “Mistoca”, “Índio Brabo”, “Açougueiro” e “Cavalo de Guerra”, além da presença de mais um argentino no plantel: Nazareno  Malegarie “El Tigre”

Ao contrário das outras edições, quando ocorreram diversas brincadeiras, dessa vez, os treinadores garantiram que o tom foi de extrema seriedade e profissionalismo:

“Meu principal foco foi manter o respeito entre as equipes. Não tivemos muitas brincadeiras, preferi mantê-los na linha. Nossa rotina é treinar duro, se dedicar e não ficar de brincadeira.”, garantiu “Shogun”.

Maurício Shogun pode enfrentar Rogério Minotouro, numa revanche aguardada pelos fãs (Foto: Leo Salles)

Maurício Shogun pode enfrentar Rogério Minotouro, numa revanche aguardada pelos fãs (Foto: Leo Salles)

“O Shogun conversou com a gente e preferimos essa abordagem mais séria. O que houve no TUF com o Werdum ficou para trás. Tivemos menos brincadeiras e mais foco.”, completou o peso-pesado.

Diante de tantas promessas, só resta a todos aguardar a quarta edição do TUF Brasil. Será que assistiremos a lutas de alto nível e a um programa mais sério e competitivo do que as edições passadas? Veremos.

POSTADO POR: Cadu Bruno às 5:08