twitterfeed
PUBLICADO EM 10.11.2016 - 15:32

Experiência a serviço do Fluminense

Aos 35 anos, Renatinha é uma das mais experientes do elenco tricolor. Foto Mailson Santana/ Divulgação Fluminense

Aos 35 anos, Renatinha é uma das mais experientes do elenco tricolor. Foto Mailson Santana/ Divulgação Fluminense

No elenco tricolor, a campeã olímpica Sassá não é a única que tem a missão de liderar a equipe na Superliga. Aos 35 anos, com passagens pela Seleção e por clubes do Brasil, Japão, Itália, Azerbaijão e Indonésia, a oposta Renatinha está entre as jogadoras mais experientes do grupo. “O nosso lado de líder, às vezes, não é nem falar. É uma atitude. Nós podemos ser as mais velhas do time, mas as mais novas nos dão um gás. Se cheguei aos 35 anos jogando é porque amo fazer isso aqui. E ver a motivação das mais novas alimenta isso e dá força. Mesmo com 35 anos, tenho que render”, diz Renatinha. Não é a primeira vez que ela mora no Rio: a jogadora defendeu o Rexona de 2005 a 2008. “Foi uma época de muito trabalho e muitas conquistas. Do Rio só tenho coisas boas para lembrar. Voltar para a cidade é sempre maravilhoso. É acolhedora”, afirma. Campeão estadual em cima do Rexona-Sesc, em setembro, o Fluminense estreou na Superliga com derrota para o rival carioca, mas se recuperou ao vencer o Rio do Sul. No sábado, o adversário será o Renata Valinhos-Country, em Valinhos (SP). “Essa Superliga vai ser bem disputada e, para a gente, vai ser uma final a cada jogo”, aposta Renatinha.

Publicidade