twitterfeed
PUBLICADO EM 15.12.2016 - 16:48

Pedidos para 2017

Em 2016, Alison e Bruno foram campeões olímpicos em Copacabana. Foto Divulgação/ Inovafoto/CBV

Em 2016, Alison e Bruno foram campeões olímpicos em Copacabana. Foto Divulgação/ Inovafoto/CBV

Craques das quadras e das areias revelam o que esperam de 2017. Saúde, paz, conquistas na carreira e dias melhores para o país estão entre os pedidos de oito medalhistas olímpicos do vôlei. 

Sheilla, bicampeã olímpica
“Diante do momento que estamos vivendo, só me resta pedir para que em 2017 os políticos sejam mais justos com o povo brasileiro e tenham consciência do que estão fazendo com o nosso país.”

Alison, campeão olímpico
“Meus pedidos para 2017 são muita saúde e muita paz. Que a gente continue com muita saúde lutando para fazer nosso melhor dentro e fora de quadra. Muita saúde para todo mundo, para o Brasil todo, todos os torcedores brasileiros.”

Bruno Schmidt, campeão olímpico
“Muita saúde para continuar fazendo o que eu amo com muito empenho e dedicação. Para 2017, muita paz para todo mundo. É o principal. A gente vem vivendo momentos muito complicados no país, na economia, na política… Todo mundo perdeu o sossego nos últimos anos. Espero que todo mundo consiga um pouco mais em 2017, ter mais confiança no país. Para a dupla, muita energia, muita vontade e muita saúde para a gente continuara fazendo o que gosta.”

William, campeão olímpico
“Saúde, paz, amor e mais tempo com a minha família.”

Thaisa, bicampeã olímpica
“Saúde, antes de qualquer coisa. Depois quero ter uma excelente temporada aqui na Turquia e, se possível, ser campeã dos campeonatos que participarmos.”

Dani Lins, campeã olímpica
“Que Deus me mantenha com muita saúde e que seja um ano abençoado não só para mim, mas para toda a minha família. Espero que venha uma final de Superliga e que seja um ano muito melhor do que 2016. E que eu realize os sonhos que tenho em mente.”

Medalha de prata na Rio-2016, Ágatha pede entrosamento na nova parceria com Duda. Foto Maíra Coelho/ O DIA

Medalha de prata na Rio-2016, Ágatha pede entrosamento na nova parceria com Duda. Foto Maíra Coelho/ O DIA

Ágatha, vice-campeã olímpica
“Que meu novo time com a Duda se entrose bem e que role aquela química tão importante numa dupla de praia;
Que os brasileiros fiquem mais conscientes politicamente;
Que as pessoas saiam um pouco do mundo virtual e comecem a sentir o mundo em que vivem;
Que eu consiga coragem para pular de asa delta;
Que o esporte brasileiro tenha apoio dos poderes públicos e privados tanto para atletas de alto nível como para a categoria de base;
Que eu consiga fazer aquela tatuagem no braço que estou enrolando um tempão pra fazer;
Que o coração das pessoas fossem tocados pelas necessidades dos estranhos que nos rodeiam.”

Fabi, bicampeã olímpica
“Na verdade, não tenho muito o que pedir. Quero agradecer mais um ano de muito aprendizado e realizações. Foi um ano que começou com o grande desafio de sediar um competição como os Jogos Olímpicos e terminou com uma grande tragédia com o time da Chapecoenses, que nos fez repensar a vida, pensar em distribuir mais amor, em aproveitar todos os momentos hoje, porque amanhã pode ser tarde! Espero que 2017 seja um ano de mais solidariedade e comprometimento de todos em sermos pessoas melhores!”

Publicidade