twitterfeed
PUBLICADO EM 15.05.2017 - 10:02

Segurança é fundamental na hora de ‘entrar na faca’

 

Lipoaspiração é outra cirurgia muito procurada no  inverno por conta na redução do inchaço

Lipoaspiração é outra cirurgia muito procurada no outono e inverno por conta na redução do inchaço (Foto: Reprodução de Internet)

Eu sempre morri de medo e tento tomar coragem para “entrar na faca” – as partes do corpo não preciso revelar aqui, mas certamente são algumas das que todas as mulheres mais reclamam. Mas para quem já fez e teve bons resultados, vira um vício. As cirurgias plásticas são cada vez mais procuradas para corrigir as pequenas (ou grandes) imperfeições no corpo que todos cismamos que temos na frente do espelho. Mas é bom ficar atento: todo e qualquer tipo de cirurgia tem seus possíveis riscos e complicações que não devem ser desprezados.

“Para cada caso a indicação cirúrgica é obtida durante a consulta através de uma anamnese detalhada e exame físico do paciente. A decisão de realizar o procedimento é exclusiva do paciente, somente ele pode decidir se a cirurgia proposta alcançará suas metas e se as complicações e riscos inerentes ao procedimento são aceitáveis. Portanto o paciente deve certificar-se de que suas expectativas são realistas”, afirma José Neder Netto, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

A Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (International Society of Aesthetic Plastic Surgery (Isaps)) emitiu um alerta para todos os indivíduos que buscam procedimentos cirúrgicos estéticos mais baratos, e especialmente nas mãos de praticantes não licenciados que operam sem certificação de órgãos reguladores de cirurgia plástica, para garantir uma maior segurança dos pacientes.

Cirurgiã alerta para exageros

Barbara Machado, chefe da equipe médica de Ivo Pitanguy por 15 anos, chama a atenção para pessoas que querem recorrer a muitas cirurgias plásticas e procedimentos estéticos e acabam exagerando. Alguns exemplos são a cantora Gretchen e a modelo Ângela Bismarchi. Já as internacionais Uma Thurman e Renée Zellweger também mostram os exageros na hora de se submeter a uma cirurgia plástica.

Mais do que estarem insatisfeitas com a própria imagem, as pessoas se percebem de uma maneira equivocada e tendem a não gostar da própria figura, procurando soluções em cirurgias plásticas e tratamentos estéticos para mudar o que as incomoda. Esta compulsão é chamada de dismorfofobia. Para Barbara Machado, chefe da equipe médica de Ivo Pitanguy por 15 anos, o importante é pontuar limitações para os procedimentos estéticos sejam eles cirúrgicos ou clínicos.

“Nas consultas procuramos sempre entender onde estão os anseios dos pacientes para estabelecer se é possível atingi-los ou não. Parte dos pacientes hoje tem queixas bem consolidadas, objetivas e plausíveis. Outros pacientes têm queixas cuja solução é inalcançável. Sempre que entendemos que um paciente quer se tornar alguém diferente de sua anatomia original ou mudar radicalmente de forma, o melhor é encaminhá-lo para acompanhamento psicoterápico para entendermos juntos o que será possível obter e se ele não quer usar o bisturi para cortar de sua vida aquilo que ele não consegue fazer sozinho”, explica.

Dicas de oura na hora de fazer uma plástica

- O indicado é que o paciente procure sempre um especialista membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), de sua confiança e que sinta afinidade. Pergunte tudo sobre o procedimento, tire suas dúvidas, local que será realizado, como é feito e esteja ciente do tipo e do tamanho das cicatrizes do mesmo.

- Na anamnese informe tudo o que lhe for questionado, siga corretamente as orientações pré-operatória e no dia da cirurgia não se esqueça do jejum. O correto seguimento das medidas pós-operatórias também são fundamentais para o sucesso de uma cirurgia. Seguindo todas as orientações médicas os riscos diminuem, porém não estão isentos, todo procedimento tem sua porcentagem de complicação e riscos, portanto, pesquise antes de optar pela cirurgia.

- Além da certificação de médico, procure as afiliações do cirurgião que vai escolher. A categoria de membro da SBCP insere o cirurgião dentro da elite da cirurgia plástica, também se atente a escolha do cirurgião, um cirurgião qualificado é o primeiro passo na segurança de que a cirurgia pode atender as suas expectativas.

 Fonte: Bárbara Machado e José Neder Netto, membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Publicidade